Luz e Cenário de Sagrada Partida.

Foto: Arquivo Finos Trapos

 

Nas últimas edições realizadas em 2013 e 2014 do Oficinão Finos Trapos, ação de formação já consolidada na trajetória do Grupo, durante o processo de avaliação verificamos no discurso dos participantes o desejo de que o curso abordasse de modo mais aprofundado o estudo teórico e prático de áreas técnicas específicas. Naquela ocasião, uma vez que o Oficinão se dedicava a apresentar aos alunos o processo colaborativo de criação sistematizado pelo Grupo, entendemos que detalhar outros conhecimentos de modo sistêmico, com vistas a deixar uma real contribuição aos participantes sobre essas técnicas, em uma carga horária de 40h – que já era destinada a dar conta de conteúdos e modos de operar tão complexos e ainda construir uma Mostra Cênica no final do processo – seria algo difícil de realizar sem prejudicar os resultados pretendidos.

 Após a execução do curso levamos para o travesseiro e rodas de avaliação interna do Finos aquelas observações e percebemos que as considerações daqueles participantes, em especial os do interior do Estado, se fundamentavam em uma demanda real: a escassez de cursos destinados ao aprendizado das áreas técnicas e elementos que compõem a arte teatral.

Foto: Leonardo Pastor

Ainda que nas últimas décadas tenham ocorrido importantes transformações no campo da cultura e de ser perceptível desde 2002 o advento de mudanças estruturantes, no campo da formação profissional da área ainda há muito que avançar. O número reduzido de instituições de ensino com esse fim ainda concentra-se expressivamente no sudeste do país. Em outras regiões, os cursos existentes não abrangem a totalidade das especialidades artísticas. Tomando como referência o Teatro, é notório o avanço de cursos técnicos e universitários destinados à licenciatura e bacharelado em interpretação e direção teatral, mas há pouca oferta de capacitação em outras funções. Dramaturgos, cenógrafos, figurinistas e congêneres precisam desenvolver essas habilidades empiricamente ou procurar de forma autodidata aprofundar o conhecimento apresentado em poucas disciplinas da graduação.

 Foi com base na análise desse cenário e nas provocações suscitadas pelos participantes do Oficinão que decidimos idealizar a frente de trabalho Alvenarias Cênicas que consiste na realização de atividades pedagógicas com o intuito de incentivar a capacitação de artistas em áreas específicas da engenharia teatral. Uma edição piloto da ação foi realizada em 2016 junto ao Projeto Afinações Ano 2, executado em Salvador,  onde pudemos experimentar essa metodologia e averiguar suas características inovadoras, a eficácia e potencialidades dos resultados propostos, agora aperfeiçoados para se tornar um projeto independente.

Em 2016 o Projeto Alvenarias Cênicas – Oficinas Técnicas Em Cinco Territórios de Identidade Culturais da Bahia  foi selecionado no edital Setorial de Teatro da Secretaria de Cultura, Fundo de Cultura e Fundação Cultural do Estado da Bahia e, felizmente, a partir de março de 2017, o projeto será desenvolvido em cinco Territórios de Identidade do estado, contemplando um total de 150 artistas que realizarão um total de 340 horas de intensos processos formativos.

Ao todo serão 08 (oito) especialidades abordadas em oficinas independentes que possuem como fio condutor a reflexão sobre as peculiaridades da engenharia de criação teatral no Brasil, a criação em colaboração, o fomento à atuação polivalente dos profissionais da cena e da prática teatral em grupo.  

Cada território de identidade visitado receberá quatro oficinas técnicas que foram criteriosamente selecionadas a partir de um rigoroso estudo das demandas relacionadas nos Sistemas Estadual e Municipais de Cultura; dos anseios de artistas locais comunicados nas Conferências de cultura e outros encontros em ações anteriores realizadas e/ou vivenciadas pelo Finos Trapos e seus membros; e, finalmente, pelas potencialidades e lacunas observáveis na produção teatral dessas microrregiões.

A relevância do Alvenarias Cênicas reside no seu caráter vocacional, despertando o interesse de artistas em formação em técnicas e procedimentos de áreas específicas do teatro. A partir do contato com os conteúdos abordados no curso, os participantes poderão aprofundar suas apetências através do aprendizado de procedimentos e referenciais teóricos que auxiliarão no desenvolvimento de determinada especialidade. A metodologia do curso, fundamentada na polivalência e na prática teatral em grupo, possibilitará aos participantes noções de como certa função opera junto à tecedura criativa, semiótica, polifônica e altamente complexa que compõe a engenharia teatral.

Em breve você saberá mais detalhes sobre essa mais recente ação do Grupo de Teatro Finos Trapos.

Fique atento!

Foto: Leonardo Pastor

Fina Agenda Resumida

Blog