O repertório de conteúdos oferecidos no curso Alvenarias Cênicas aborda temas relacionados à criação em dramaturgia, encenação e/ou interpretação; o planejamento e concepção de figurino, indumentária, maquiagem e/ou cenografia; a concepção de trilha sonora para espetáculos; além do universo da produção cultural em Teatro de Grupo. Estes foram reunidos em distintos módulos de abordagem, proporcionando aos participantes o contato com distintas ferramentas e procedimentos utilizados na engenharia  da composição cênica.

Serão oito intervenções distintas, distribuídas quatro por cidade, ministradas por membros do Finos Trapos e colaboradores convidados, especialistas com amplo conhecimento no âmbito teórico e prático sobre os temas.

O organograma de distribuição das oficinas por região foi planejado a partir de um rigoroso estudo do cenário microrregional, tendo como base a análise de dados indicadores quantitativos e qualitativos sistematizados nas Conferências municipais e estaduais de cultura já realizadas, as metas levantadas no Plano Nacional de Cultura (BRASIL, 2012), dentre outros estudos publicados pelo poder público e universidades baianas.

 

Ementas:

 

Concepção e Execução Cenográfica do Espetáculo

 

Abordagens para composição do espaço tendo como ponto de partida os elementos técnicos visuais para cena e de como estes interferem nas composições corporais dos intérpretes. Partindo de aportes teóricos e práticos cada participante poderá ter uma nova visão sobre o seu fazer, podendo analisar o objeto a partir de seu ponto de vista, seja ele, de dentro ou fora da cena. Serão analisados antigos processos de criação dos participantes a fim de distinguir quais deficiências atrapalharam os aspectos de recepção da mensagem proposta e instrumentaliza-lo para as composições futuras.

 

 Foto: Leonardo Pastor

 

Direção e Processos de Encenação Teatral

 

Estudo do papel do encenador nos processos de criação do espetáculo teatral. Discussão e experimentação de possíveis metodologias a serem utilizadas pelo diretor em processos criativos, abordando a filosofia de trabalho existente nesses distintos procedimentos. O módulo possui uma abordagem teórico-prática, proporcionando aos participantes a experimentação e o entendimento do lugar do encenador no espetáculo teatral da atualidade.

  

 

Foto: Daisy Andrade

 

Recursos Expressivos para sonoridades do Intérprete

 

Serão abordadas atividades práticas e de corpo através de jogos teatrais que possibilitem a realização de exercícios e técnicas de respiração, visando as explorações sonoras do corpo\voz do intérprete e possibilitando uma pesquisa corporal que valorize atividades individuais e de grupo, de modo a trabalhar a interpretação e a sonoridade.

  

 

 

Foto: Francisco André

 

O Figurino e a Indumentária na Construção da Personagem

Estudo do figurino e indumentária como elemento constitutivo da caracterização do personagem. Partindo de uma perspectiva teórico-prática pretende-se proporcionar aos participantes o entendimento desses elementos como signos que compõem o discurso cênico da obra e não apenas como instrumentos acessórios e dispensáveis do fenômeno teatral. Para tanto serão discutidos temas como história da indumentária, volumes e formas, tecidos e aviamentos, acessórios, neutralidade e caracterização, concepção e execução de figurino, paleta de cores, cor luz e cor pigmento, pesquisa de materiais, dentre outros conceitos que auxiliam na compreensão das técnicas de pesquisa e elaboração de figurino e indumentária. 

 Foto: Leonardo Pastor

 

O Espaço como Dispositivo de Criação Dramatúrgica

 

Discussão das relações entre arquitetura teatral e dramaturgia e de como estas influenciaram a escrita cênica.  No campo teórico, o curso proporcionará um panorama histórico das principais alterações nos estilos da escrita dramatúrgica associados às mudanças no espaço de representação, bem como discutirá alguns conceitos bastante problematizados na cena contemporânea (dramático, pós-dramático, cronotopo, teatralidade, etc.). No campo prático o módulo proporcionará o desenvolvimento de textos dramatúrgicos que possam ser adequados a uma arquitetura cênica não-convencional,  tendo como dispositivo os espaços alternativos.

Foto: Arquivo Finos Trapos

 

O Som na Cena: Princípios da Trilha Sonora para o Teatro

 

Módulo teórico e prático que busca abordar os princípios da Trilha Sonora para Teatro através da análise de textos dramáticos e de exercícios  práticos de composição musical. Para tal, será discutido conceitos da teoria da música que tenham relevância para o campo da Trilha Sonora, de modo a esclarecer alguns termos musicais muito utilizados, bem como será analisado fragmentos de alguns textos dramáticos conhecidos, buscando observar e acrescentar uma possível intervenção sonora. Além do conteúdo teórico, serão realizados exercícios práticos que tem como objetivo desenvolver a habilidade de compor e de tocar instrumentos musicais dos alunos.

 Foto: Leonardo Pastor

 

 

Alicerces da Gestão e Produção no Teatro de Grupo

 

Estudo de conteúdos teóricos integrando-os com as práticas de gestão e produção cultural na contemporaneidade. Discussão de experiências como ponto de partida para o entendimento dos diferentes contextos sobre essas temáticas. Exercícios práticos  para a experimentação de técnicas e para o conhecimento sobre elaboração de Projetos. Reflexão sobre as práticas dos artistas-produtores locais. A gestão e a produção nas esferas pública e privada e no âmbito dos grupos culturais.

 

Foto: Arquivo Finos Trapos

 

A Concepção e Execução da Maquiagem nas Artes do Espetáculo

 

Estudo de teorias que auxiliem o entendimento da maquiagem inserida no contexto das artes cênicas. A maquiagem através dos tempos. Exposição de experiências trazidas pelo facilitador e pelos participantes. Exercícios práticos  para o conhecimento e a experimentação de técnicas de auto maquiagem. Aplicação de maquiagem nos colegas.

 

 

Foto: Aroldo Fernandes

 

Organograma de Distribuição dos Módulos

 

Recôncavo (Cachoeira-BA)

Alicerces da Gestão e Produção em Teatro de Grupo

Recursos Expressivos do Corpo e da Voz do Intérprete

O Espaço Como Dispositivo de Criação Dramatúrgica

A Concepção e Execução da Maquiagem nas Artes do Espetáculo

 

Litoral Norte e Agreste Baiano (Alagoinhas-BA)

Alicerces da Gestão e Produção em Teatro de Grupo

Recursos Expressivos do Corpo e da Voz do Intérprete

O Espaço Como Dispositivo de Criação Dramatúrgica

O Figurino e a Indumentária na Construção da Personagem

 

Sertão Produtivo (Guanambi-BA)

Alicerces da Gestão e Produção em Teatro de Grupo

A Concepção e Execução da Maquiagem nas Artes do Espetáculo

Concepção e Execução Cenográfica do Espetáculo

Direção e processos encenação

 

Sudoeste Baiano (Vitória da Conquista-BA)

Alicerces da Gestão e Produção em Teatro de Grupo

O Som na Cena: Princípios da Trilha Sonora para o Teatro

Direção e Processos de encenação

O Figurino e a Indumentária na Construção da Personagem

 

Portal do Sertão (Senhor do Bonfim)

Oficina Alicerces da Gestão e Produção em Teatro de Grupo

Concepção e Execução Cenográfica do Espetáculo

Direção e Processos de encenação

O Som na Cena: Princípios da Trilha Sonora para o Teatro

Foto: Arquivo Finos Trapos

 

REFERÊNCIAS

 

ARAÚJO, Antônio. A gênese da Vertigem – O processo de criação de O Paraíso Perdido. São Paulo-SP: Perspectiva: Fapesp, 2011. 

ARAÚJO, Antônio. A encenação no Coletivo: Desterritorializações da função do diretor no Processo Colaborativo. Tese de doutorado. São Paulo-SP: ECA-USP, 2008.

ARAÚJO, Nelson de. História do Teatro. Salvador: Fundação cultural do Estado da Bahia, 1978.

AVELAR, Rômulo. O Avesso da Cena: Notas sobre Produção e Gestão Cultural. Belo Horizonte: DUO Editorial, 2011.

BARBA, Eugenio e SAVARESE, Nicolas (orgs.). A Arte Secreta do Ator. Dicionário de Antropologia Teatral. São Paulo: Hucitec, 1994.

BERTHOLD, Margot. História Mundial do Teatro. São Paulo: perspectiva, 2004.

BRASIL. Ministério da Cultura. As metas do Plano Nacional de Cultura. Brasília-DF: Minc, 2012.

CARREIRA, André Luiz Antunes Netto. Práticas de Produção Cultural em Santa Catarina – Sobrevivência e Busca de Identidade. Florianópolis-SC. NPTAL – FAPUDESC, 2002.

CARRERA, André. O Teatro de Grupo e a Construção de Modelos de Trabalho do Ator no Brasil nos Anos 80-90. Memória ABRACE X (anais do IV Congresso brasileiro de pesquisa e Pós-graduação em artes Cênicas). Rio de Janeiro, pp.75-76, 2006.

CASTILHO, Jacyan. O Ritmo Musical da Cena de Teatro. UFBA - Salvador, 2007.

COHEN, Renato. Work in Process como Linguagem In: Work in Process na Cena Contemporânea: Criação, Encenação e Recepção. 2º Edição. São Paulo: Perspectiva, 2013.

CORREIA, Thiago Carvalho de Sousa.  Modos de Cooperação e Produção do Grupo de Teatro Finos Trapos: Um Estudo de Caso. 2016. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas, Universidade Federal da Bahia. Salvador, 2016.

CUERVO, Luciane. Introdução à Fisiologia da Voz. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Departamento de Música. Disponível em http://www.ufrgs.br/musicalidade/midiateca/praticas-musicais-vocais-e-instrumentais/praticas-vocais/ovas-praticas-vocais/fisiologia

CUNHA Filho, Francisco Humberto. Teoria e Prática da Gestão Cultural. Fortaleza - CE, Universidade de Fortaleza, 2002.

CUNHA, Maria Helena Melo da. Gestão Cultural - Profissão em Formação. Belo Horizonte - MG, Duo Editorial, 2007.

FERNANDES, Silva. Teatro de Grupo. São Paulo: Perspectiva, 2001.

FERNANDES, Silvia. Teatralidades Contemporâneas. São Paulo-SP: Perspectiva: 2010.

FERNANDINO, Jussara Rodrigues. Escuta e Interação Cênica. Revista Ouvirver. Uberlândia, Vol. 6 – 2010.

FO, Dário. Manual Mínimo do Ator. São Paulo: Editora SESC/ SENAC São Paulo, 2004.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 2006.

GROTOWSKI, Jerzy. Em Busca de um Teatro Pobre. 4 ed. Rio de janeiro: Civilização Brasileira,1992.

MinC. Linhas de Fomento e Fontes de Financiamento.  Etapa I – Unidade V - Gestão Cultural Conceitos Básicos. Programa de Capacitação em Gestão de Projetos e Empreendimentos Criativos. Brasília, 2013.

LEHMANN, Hans-Thies.Teatro Pós-Dramático. São Paulo: Cosac & Naify, 2007.

LIMA, Francisco André Sousa. Pedagogia do Teatro de grupo: O Processo Colaborativo como Dispositivo Metodológico no Oficinão Finos Trapos. 2014. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas, Universidade Federal da Bahia. Salvador, 2014.

LIMA, Francisco André Sousa. Oficinão Finos Trapos: Uma Pedagogia do Teatro de Grupo em Cinco Cidades Baianas. Salvador-BA: EGBA, 2014b

MENDES, Cleise F. Texto Dramático e Texto Teatral: Delimitações. In: As Estratégias do Drama. Salvador: EDUFBA, 1995.

MONTE, Maurício V. Fisiologia da Voz. 2010.

PAVIS, Patrice. O Tratamento do Texto no Espaço Público da Representação. In: A Analise dos Espetáculos. 2º Edição. São Paulo: Perspectiva, 2008.

REBOUÇAS, Evill. Poéticas Dramatúrgicas no Espaço Inusitado. Disponível em: http://www.portalabrace.org/vicongresso/dramaturgia/EVILL%20REBOU%C7AS%20-%20PO%C9TICAS%20DRAMAT%DARGICAS%20NO%20ESPA%C7O%20INUSITADO.pdf

ROUBINE, Jean-Jacques. A Questão do Texto In: A Linguagem da Encenação Teatral (1880 - 1980). Rio de Janeiro: Editora Zahar, 1998.

RUBIM, Antonio Albino Canelas.  Políticas Culturais na Bahia: Governo Jaques Vagner2007. Salvador: EDUFBA, 2008. 

RUBIM, Linda. (Org.) Organização e Produção da Cultura. Salvador: EDUFBA. FACOM/CULT, 2005.

SECRETARIA DE CULTURA DA BAHIA. Institucionalização de Grupos Arstisticoculturais. (cartilha). Salvador-BA: Egba, 2010.

 TRAGTENBERG, Lívio. Música de Cena. Editora Perspectiva. São Paulo, 1998.

Blog